Siga-nos nas redes sociais

Portugal

Investigação liderada por português descobre que proteína cerebral atrasa “origem” de Alzheimer

Publicado há

no dia

micrscopio

Uma equipa internacional de cientistas liderada pelo português Cláudio Gomes descobriu que uma proteína abundante no cérebro atrasa a formação de depósitos tóxicos de uma outra proteína que estão associados à doença de Alzheimer, foi hoje divulgado.

A descoberta, publicada hoje na revista científica Nature Communications, revela que a proteína ‘S100B’ atua sobre a proteína ‘tau’, “cuja deposição tóxica no cérebro está associada a várias demências e à fase de agravamento da doença de Alzheimer”, refere em comunicado a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL), onde leciona Cláudio Gomes, coordenador do trabalho feito com culturas de células de bactérias que foram modificadas geneticamente para expressar ambas as proteínas humanas produzidas em laboratório.

“Investigámos a formação de agregados da proteína ‘tau’ ao longo do tempo e observámos que a mesma é atrasada na presença da proteína ‘S100B'”, acrescenta na mesma nota o primeiro autor do estudo, Guilherme Moreira, estudante de doutoramento em Bioquímica na FCUL, sob orientação de Cláudio Gomes.

Para os autores do estudo, a descoberta tem implicações na doença de Alzheimer, uma vez que “o aparecimento de sintomas cognitivos e demência estão associados aos danos causados pelos agregados da proteína ‘tau’ e à disseminação da patologia para múltiplas regiões do cérebro”.

“Este estudo desvenda um novo mecanismo biológico de proteção, relevante nas fases iniciais da doença, que se torna ineficiente ao longo do tempo com o crescente acumular de agregados tóxicos no cérebro”, assinala Cláudio Gomes.

À Lusa, o investigador do Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas da FCUL adiantou que “a hipótese” em que a sua equipa tem “vindo a trabalhar” é de que a proteína ‘S100B’ terá funções protetoras contra a agregação de proteínas na fase que antecede o aparecimento de sintomas da doença, mas na qual “ocorrem já alterações nas células” cerebrais (neurónios) e “acumulação de depósitos” de proteínas “como parte da resposta inflamatória precoce”.

A função protetora da ‘S100B’ será inativada “na fase sintomática, tardia” da doença, quando aumenta a acumulação tóxica de proteínas, passando a função da ‘S100B’ como “mediador pró-inflamatório” a ser preponderante.

“A ‘S100B’ é uma proteína multifuncional, que se sabe desempenhar funções protetoras e agravantes, sobretudo na resposta neuroinflamatória”, sublinhou Cláudio Gomes.

Os autores do trabalho esperam que a compreensão do funcionamento, e do efeito protetor, de proteínas como a ‘S100B’ possa servir de base ao desenvolvimento de medicamentos com “potencial terapêutico”, que atuem de forma semelhante.

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência que causa danos progressivos e irreversíveis em diversas funções cognitivas, como memória, atenção, concentração, linguagem e pensamento.

Segundo Cláudio Gomes, nesta doença há “alterações bioquímicas” que “promovem a libertação da proteína ‘tau’ nos microtúbulos, estruturas que mantêm a arquitetura dos neurónios”, desencadeando a sua agregação.

“Estes depósitos de proteína ‘tau’ são tóxicos e matam os neurónios, sendo também libertados para o exterior das células, disseminando a patologia às células vizinhas”, frisou o investigador, citado no comunicado da FCUL.

Na investigação estiveram ainda envolvidos cientistas do I3S – Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto, da Universidade de Lille, em França, da Universidade de Hohenheim, na Alemanha, e da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Numa etapa futura, a equipa irá estudar os efeitos da proteína ‘S100B’ em cérebros de modelos animais da doença de Alzheimer, em diferentes fases patológicas, e de outras patologias neurodegenerativas.

Lusa

Portugal

Doutorados ganham mais 950 euros do que licenciados

Publicado há

no dia

por:

pc

O relatório “Estado da Educação 2021” divulgado pela Conselho Nacional de Educação (CNE) em Portugal revela que os doutorados ganham, em média, mais 950 euros por mês do que os licenciados e três vezes mais do que um trabalhador com o ensino secundário.

O estudo também mostra que a qualificação da população portuguesa está a aumentar, mais de metade da população (59,5%) têm o ensino secundário completo.

Em comparação com outros países da Europa, Portugal tem taxas de empregabilidade mais altas, especialmente entre os jovens com pouca formação. No entanto, o estudo também aponta para desigualdades salariais entre homens e mulheres, com as mulheres tendo menos probabilidades de encontrar emprego ou de ter salários melhores.

Continuar a ler

Portugal

Grândola: GNR detém dois suspeitos e apreende droga após perseguição

Publicado há

no dia

por:

gnr e1671900606736

A GNR deteve dois homens e apreendeu cerca de 33 quilos de haxixe na quinta-feira à noite, após uma perseguição a um carro que estava a circular na Autoestrada do Sul (A2).

O veículo foi intercetado na vila de Grândola, depois de sair da A2, mas dois dos ocupantes conseguiram escapar. A operação terminou na madrugada de sexta-feira e os suspeitos ainda não foram localizados.

Durante a busca ao carro, além da droga foi também apreendida uma quantidade significativa de dinheiro. Os detidos vão ser apresentados a um tribunal para interrogatório judicial e depois serão aplicadas as medidas de coação adequadas.

Continuar a ler

Portugal

Militares da GNR impedidos de tirar férias devido à Jornada Mundial da Juventude

Publicado há

no dia

por:

gnr

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG) expressou a sua insatisfação com a decisão de permitir que apenas 6% dos membros da Guarda Nacional Republicana possam tirar férias entre 26 de julho e 09 de agosto devido à Jornada Mundial da Juventude.

Segundo as normas internas, apenas 20% do efetivo deve poder tirar férias simultaneamente durante eventos de grande dimensão, mas a necessidade de policiamento durante a Jornada Mundial da Juventude exige que apenas 6% dos militares possam tirar férias.

A APG afirma que essa decisão é um desrespeito para com os profissionais e que as férias são um direito que não deve ser decidido exclusivamente pela entidade patronal. A PSP também já decidiu suspender as férias dos polícias entre 24 de julho e 07 de agosto devido ao evento.

Continuar a ler

Portugal

Qual é a origem da expressão “Não entender patavina” ?

Publicado há

no dia

por:

ponto de interrogacao

A expressão “Não entender patavina” é usada quando um individuo não percebe nada de determinado assunto. Expressão que deve a sua origem ao historiador Tito Lívio, natural de Patávio, hoje Pádua, na Itália. Tito usava um latim, próprio da sua região, considerado “horroroso” para muitos, uma vez que, não era percetível para todos.

Daí surgiu o Patavinismo, que originalmente significava não entender Tito Lívio, não entender “patavina”.

Continuar a ler

ÚLTIMAS 48 HORAS